segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Até o ano que vem..




Chegou ao fim. Ufa. Ainda bem. Como é gostoso poder dizer isso. Esse foi o ANO. Um ano bem atípico em minha vida, porem um ano com gostinho de quero mais, ou melhor, um ano com gostinho de chocolate, preto, branco e meio amargo, ou seja, com todos os gostos e sabores possíveis.

Foi tão bom ter vivido tido o que vivi.... Ah, os conhecimentos adquiridos, as varias noites regadas a um bom café, as diversas horas de hidroterapia que me renderam um bronzeado incrível, a viagem para Porto Velho, os bons livros que li, as musicas que escutei, a raras festas que participei em fim. Eita aninho diversificado. Chorei muito também, como tive que dizer adeus a uma pessoa querida. Coisas da vida.

É, mas mesmo eu sendo hiperativa algumas vezes preciso descansar, fazer nada mesmo, dedicar mais tempo aos meus livros, as minhas futilidades e preparar uma breve uma viagem com as amigas, pois passar o fim de ano em Brasília é digamos deprimente.
Que 2010 venha com boas surpresas, com muito chocolate, com vários livros bons, com abençoados cafés aos sábados à noite, com algumas noites em claro, chorando pitangas ou remoendo um fora, afinal, crescemos na dor, com bons professores no cursinho, com as broncas da minha mãe, os conselhos do meu avô e os Paes de Queijo da minha avó.

Agora é à hora do recesso, da pausa tão esperada e desejada por mim e pelo meu cérebro e para que o mesmo possa relaxar, o blog terá que tirar umas férias também, afinal, não é tão simples manter esse diário pessoal, que como já disse em algum outro texto, criou vida própria. Ano que vem a gente se encontra aqui para continuarmos a desvendar vários mistérios, entender o porquê da existência ou simplesmente bater um papo para descontrair.

A todos que fizeram parte desse ano digno e digo a todos mesmo, até os que por ventura me fizeram sofrer, meu muito obrigada, de coração. Que possamos nos encontrar em breve nessa doce aventura chamada vida.

Feliz 2010.


‘’Você não sabe o quanto eu caminhei
Pra chegar até aqui
Percorri milhas e milhas antes de dormir
Eu não cochilei
Os mais belos montes escalei
Nas noites escuras de frio chorei, ei, ei
ei ei ei..uu..

A Vida ensina e o tempo traz o tom
Pra nascer uma canção

Com a fé no dia-a-dia
Encontro a solução
encontro a solução

Quando bate a saudade
Eu vou pro mar
Fecho os meus olhos
e sinto Você chegar, você
chegar,

Psicon, Psicon, Psicon

Quero acordar de manhã
do teu lado
E Aturar qualquer babado
Vou ficar apaixonado,
no teu seio aconchegado
E Ver você dormindo e sorrindo
É tudo que eu quero pra
mim
Tudo que eu quero pra mim,quero...
Quero acordar de manhã do teu lado
E aturar qualquer babado
Vou ficar apaixonado,
no teu seio aconchegado
Ver você dormindo ‚ é tão
lindo
É tudo que eu quero pra mim
Tudo que eu quero pra mim.’’

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Festas e festas e festas... De fim ou inicio de Ano.



Estava eu hoje a caminhar na noite fresca de minha cidade, depois de um longo dia de tarefas quando a caminho do ponto de ônibus surpresa das mais agradáveis – uma Serenata de Natal. Foi lindo ver as pessoas vestidas iguais entoando lindos cânticos natalinos. Pela pressa de chegar a casa ou pelo fato da noite está um pouco perigosa, não pude apreciar como gostaria porem, me veio a real situação: que falta uma semana para uma grande data a qual, não será diferente das demais.

Meu Natal vai ser mais um dia qualquer, mais um dia que terei de estudar, mais um dia e só. Ano passado foi emocionante, pois eu estava sozinha em casa e tinha o livre arbítrio para fazer o que bem quisesse, apesar de ter virado a meia noite com uma febre de lascar, mas ainda assim, fiquei contente em poder dá um abraço na mamãe e ligar para poder falar com os meus avôs que estavam em viajem. Presentes, foram poucos, é fato, o que não mudou muita coisa, até porque como sempre diz vovó Cal – Você vive ganhando coisas o ano inteiro. É de fato ela tem razão.

Natal é uma coisa, bem família e caseira, algo que não é muito pra mim. Pareço às vezes um ser estranho dentro do meu próprio lar, no meu mundinho e acabou. Se estiver ou não certa, vai entender, e isso terá como reflexo o meu Natal: dentro do meu quarto, lendo um bom livro e comendo um pane tone inteirinho. Calmo e simples, como parte dos meus dias desse ano.

Já o Ano Novo não, a coisa muda de figura. Adoro vestir roupa nova, ouvir fogos, dançar, falar besteira com os amigos e rir a noite toda com um bom copo na mão. Pra mim, virada de ano tem cheiro de coisa boa, gosto de coisa nova, cheiro de plenitude. Meia noite não é só mais meia noite e sim, a metade de uma festa que não tem hora pra acabar e porque não dizer dia? Começar o ano alegre vale muito mais do que começar rica, cheinha das notas de cem. Posso não ter dinheiro, mas amigos tenho.

Se for para mudar algo nesse roteiro, que se mude o do dia 24, acrescentando mais vida e alegria. Mas no fim, confesso que só vou curtir novamente o Natal quando eu formar minha família. Aí sim, será digno montar arvore colocar guirlanda na porta, fazer uma enorme mesa cheia de guloseimas e reunir aqueles que mais amo, de preferência, na mesma sala onde eu, muitas vezes não agüentei esperar o Papai Noel ou, como em outras, que fiquei acordada até tarde esperando os presentes e pedindo colo. Essa magia terá seu lugar de novo, mas não por agora. Por enquanto, só quero que o Bom Velinho me dê uma Festa da Virada gloriosa, para esperar mais um ano que se aproxima.

Feliz Natal.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Carta de um curinthiano pra Papai Noel.




Papai Noel, nesse anu que passou eu fuí um bom garoto, quase não dei porada na minha irmasinha e obedeci um pouco a minha mae por isso mereco ganhar uma bicicreta.
Falando a vredade, eu quase espanquei a minha irma, xinguei a visinha de baleia e não obedeci a minha veia mas mesmu asim achu que devo ganhar uma bicicreta.
Pensando melhor... Jesus é o seguinte: fui no presepio, aranquei sia amada coroa de lá e ela tá num cativeiro de difil chegada. Se tu não mandar Papai Noel me dá uma bicicreta tu nunca mais ve tua mae, tá ligado mano.


PS: Amo o meu time de paixão.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Retrospectiva 2009



Mais uma vez é hora de fazer um balanço sobre o ano que está quase chegando ao fim. O que falar de 2009? Tantas coisas, mas principalmente que foi um ano digamos atípico e diferente como um todo. É, de tanto cuspir pra cima, acabou caindo na testa. Digo isso por causa da minha aversão por concursos que foi transformada em longas horas de estudo.
Comparando com 2008, eu tive um crescimento enorme, sem noção, como também amadureci. A garotinha irresponsável ficou num passado, que sinceramente, pouco tenho saudade. Errei muito porem, em sua grande maioria, erros novos e com isso digo: evolui.
Chegou então o difícil momento dos pesos e contrapesos.


1-Começar 2009 foi: Emocionante
2-Um sonho realizado: Cirurgia de visão.
3-Um sonho que não se concretizou: formar-me em Biomedicina
4-Uma dor: cirurgia no joelho
5-Um amor: dos meus amigos
6-O que não faria de novo: resgatar tanto o meu passado.
7-O que faria de novo: viveria intensamente
8-Abraço mais perfeito: o do Thaís em PVH
9-Sorriso mais lindo: o do Rudner, após 3 anos sem nos vermos
10-A melhor balada: Calaf na Segunda – Feira
11-Meu muito obrigada: Bruno; Tio Vitinho; Tyaguinho e DR. Eduardo.
12-Momento mais difícil: as reprovações em concursos
13-Momento mais perfeito: viagem para PVH
14-Paixões desse ano: não digo o nome
15-Amores desse ano: só se for o dos amigos
16-Quem será lembrado com carinho: os amigos de PVH
17-Quem será esquecido: se é pra esquecer então não coloco aqui
18-A perda mais difícil: Tia Célia
19-O pior sentimento nutrido por alguém: ódio.
20-Perdoou quem: a mim mesma
21-Não perdoou: Marco Túlio
22-Noticia inesperada: casamento da Cris
23-Situação mais complexa: as longas horas de estudo
24-Um distanciamento: meu pai
25-Uma reaproximação: Thiagão
26-Mais altos ou mais baixos? Mais altos
27-Música: Grilos
28-Beijo: muitos, vários
29-Festas: poucas
30-Uma palavra nesse ano: Deus
31-Um colo nesse ano: da mamãe
32-Uma lição aprendida: Que o meu coração pode estar partido em mil pedaços, porem o mundo não para pra eu consertá-lo.
33-Um desejo que não pode atender: do amigo Edvaldo para ficar mais tempo em PVH
34-Um lugar: minha cama
35-Os amigos foram: essenciais
36-Um ensinamento: Você é o que é independente de qualquer pessoa
37-O que espero de 2010: Que ele venha com força total e que a Esquerda ganhe nas eleições.
38-Pedido pra Papai Noel: um grande amor.
39-Frase que fecha 2009: Alguma situação só é valida quando tiramos algum proveito dela.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

´´Linda. Mais do que ninguém você é linda.´´




Ontem sai para algum lugar ou qualquer lugar que não sabia ao certo onde, o que só foi decidido dentro do carro. Hábito normal dos malucos que chamo de amigos. Ao me arrumar, coloquei um jeans justo, uma bata preta folgada, um colar colorido e um brinco grande. Na maquiagem realcei o meu olhar, e deixei meus belos lábios com sua cor natural. Para finalizar a produção, arrumei meu cabelo com a ponta dos dedos e estampei um belo sorriso na face.

Ao entrar no carro, olhei pelo retrovisor e fiquei admirada com minha simplicidade. Nada comparado ao furacão de antes, que usava muito decote, salto alto e uma maquiagem pra lá de chamativa, parecendo uma piruá ou um pavão. Estava simples, mas bela.

Na mesa, as conversas giraram em torno de muitas piadas e do desejo de nos acertamos na vida. Coincidentemente, todos, sem exceção, estão à procura de algum relacionamento firme. Acho que a idade está pesando nas minhas costas e nas dos meus amigos. Não somos macacos para ficarmos de galho em galho. Queremos é um cobertor de orelha.

Antes, jurava que pra encontrar alguém precisaria mostrar uma parte do meu corpo, mas, vejo que não é bem assim. Se for sexo casual, 0k, até vale sair parecendo sei lá o que porem, se for para algo serio ou, para encontrar AQUELA pessoa, a evidencia tem que estar no ser e não no parecer. Roupa rasga, maquiagem sai, perfume evapora, salto quebra, brinco some, colar arrebenta. Acessórios que só facilitam o acesso.

O meu charme, a minha sensualidade e meu lado fatal existem sim e sempre existiram. Sei que sou gostosa, gata e que minha pitinha no canto da boca é uma tentação. Meu poder conheço e reconheço, mas por agora parou por aí. Quero ser sensual usando jeans, camiseta, brinco pequeno e havaianas. Serei sensual só com um gloss. na boca e mais nada. O gostoso no fim, não é revelar, mas ser revelada... por quem há de convir.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

É......Me liga.



A musica fala tudo:

Eu sei, jogos de amor são para se jogar
Ah, por favor, não vem me explicar
O que eu já sei, e o que eu não sei
O nosso jogo não tem regras nem juiz
Você não sabe quantos planos eu já fiz
Tudo que eu tinha pra perder eu já perdi

O seu exército invadindo o meu país
Se você lembrar, se quiser jogar
Me liga, me liga
Mas sei que não se pode terminar assim
O jogo segue e nunca chega ao fim

E recomeça a cada instante (a cada instante)
Eu não te peço muita coisa, só uma chance
Pus no meu quarto seu retrato na estante
Quem sabe um dia vou te ter ao meu alcance
Ah, como ia ser bom se você deixasse

Se você lembrar, se quiser jogar
Me liga, me liga.

domingo, 29 de novembro de 2009

Recordar é viver......




´´A gente vai crescendo, vai crescendo
E o tempo passa
E nunca esquece a felicidade que encontrou.

Hoje me veio o saudosismo. Não sei se pelo cançasso ou pela falta de tempo mesmo, porem, conversando com o meu amado pai, percebi que tenho tudo e ao mesmo tempo nada. Tenho uma boa condição financeira, amigos, alguns amores, parentes legais, mas não tenho o direito de pegar e me jogar no colo do papai, recostar a minha cabeça e dormir aconchegada.

´´Boi boi boi, boi da cara preta
Pega essa menina que tem medo de careta. ´´

Vagando em meus pensamentos, lembrei-me de pessoas tão queridas que estão longe e que fazem uma diferença enorme. De longe, posso sentir o cheiro do peixe da Tia Moca, ouvir a risada mansa do tio Nevaldo, viajar como eu viajava em altos papos com o Dudu, perceber, só pelo caminhar o tio Fifi chegando com alguma fruta gostosa. São sensações e sentimentos únicos, que me aquecem e principalmente, que me fazem vê o qual sortuda sou.

‘’ Mas não diga nada que me viu chorando
E pros da pesada, diz que vou levando
E como é que anda aquela vida á toa
E se puder me manda uma noticia boa. ’’

Sorte. Essa é a melhor palavra. Eu tinha tudo para ser digamos revoltada com a vida, ou melhor, de me fazer de vitima perante a ela, o que não combina muito comigo é fato. Confesso e admito claramente meu lado dramático e sensível e confesso que estou bem pior nesses tempos, o que é plenamente justificável afinal ninguém esta na minha pele para poder sentir o que o sinto e claro, fazer o que mais desejo agora – nada.

‘’ Enquanto o mar inaugura
Um verde novinho em folha
Argumentar com doçura
Com uma cachaça de rolha
E com o olhar esquecido
No encontro de céu e mar
Bem devagar ir sentindo
A terra toda a rodar. ’’

E então, se o ano terminasse hoje, pois esta quase chegando ao fim, só teria que agradecer a Deus por tudo o que vivi. Aprendi muito e claro, também ensinei coisas a alguém só que como todo bom ser humano, pediria a Deus só uma coisinha – um amor de verdade. Daquele jeito romântico e certinho, como quem eu pudesse cantarolar as minhas musicas sem ter vergonha de nada e de ninguém.

‘’ Estava à toa na vida, o meu amor me chamou
Pra ver a banda passar cantando coisas de amor
A minha gente sofrida despediu-se da dor
Pra ver a banda passar cantando coisas de amor
O homem sério que contava dinheiro parou
O faroleiro que contava vantagem parou
A namorada que contava as estrelas parou
Para ver, ouvir e dar passagem. ’’

sábado, 21 de novembro de 2009

A Ligação.




Foi num dia qualquer, de uma noite quente e abafada em algum mês desse ano. Como em todos os outros dias assim, chegava da aula, corria para o meu quarto e lá, ia despindo-me lentamente enquanto olhava fotos ou cantarolava uma música qualquer. Era como se fosse um ritual do meu eu comigo mesma. A ausência de espelhos era um mero detalhe, pois sabia exatamente o que estava no lugar e o que precisava melhorar em meu jovem corpo porem, nesse dia, acrescentaria algo a mais para finalizar minha tão monótona rotina.

Sentada no chão, olhei as horas e abri um afável sorriso. Era sim, o momento para ligar para aquele que nos últimos anos perturbava os meus sonhos mais secretos. Disquei os dez números- os quais estavam gravados em minha mente, e fiquei ansiosa a espera de sua voz. Quando a mesma chegou aos meus ouvidos, pude enfim livrar-me da contração muscular que fazia com que apertasse meus dedos.

A conversa começou leve como se ambos estivessem em um terreno perigoso o que de fato era verdade. Perguntamos amenidades e elas, nos conduziram a outras coisas, como revelações cotidianas. Naquele instante criamos confiança, a mesma que foi perdida anos antes, seja lá qual tenha sido o real motivo.
Num dado momento mergulhamos, dessa vez sem medo, nos segredos e nas vontades obscuras e em sua fala ofegante, senti a sintonia daquele telefonema. A imaginação começou a fluir avassaladoramente, com viagens alucinantes para o eu de cada um. Se eu estava só, e ele também, essa solidão se transformou em companhia das mais agradáveis e instigantes.

Depois de quase duas horas de papo, desligar o celular foi doloroso. O certo é que cada um iria dormir imaginando a concretização dos planos feitos e do quão breve eles iriam ser posto em prática. Do mesmo modo que ele invadiu minha rotina monótona, dali a alguns dias invadiria o meu corpo, a minha alma e o meu coração. E eu não conseguia mais nem sequer viver, a espera dessa entrega cheia de dúvidas e medos, mas uma entrega que seria minha e por inteiro fazendo então com fosse meu e o mundo não tivesse a mínima importância.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Amigos.com.br




´´Meus heróis morreram de overdose, os meus inimigos, estão no poder. Ideologia, eu quero uma pra viver. ´´

Começo o texto de hoje com essa música por um motivo simples- a mudança de algumas idéias que tinha há anos.
Sempre fui meio avessa a tecnologia, tanto é que no meu quarto não tem som e nem TV, porem, andei revendo meus conceitos, ainda mais depois de ter entrado na vida de militante estudantil.
Antes, achava que ter amigos virtuais, era perda de tempo, que o barato mesmo era poder ter quem abraçar, beijar, tocar, sentir o calor humano próximo, mas, e quando se tem pessoas tão queridas que moram tão longe, como é que se faz? Sim, Grambel inventou o telefone porem as tarifas estão caras. Sim, eu sei que o avião existe e que já existem rodovias que passam por dentro da Floresta Amazônica, mas, minha humilde mesada não me permite deslocar-me toda hora para poder dá um abraço ou simplesmente falar: eu te adoro. E o que me restou então? A rede mundial de computadores.
Em alguns dias,quando a solidão ataca sem pudor nenhum, ligo o meu computador, acesso alguns desses programas de relacionamento e pronto, toda a minha carência é resolvida em segundos. Algumas conversas são tão reais que parece que eu e a pessoa estamos lado a lado, um olhando nos olhos do outro, esquecendo por alguns instantes da frieza virtual.
Sim, sinto falta de contato humano, mas na loucura da minha vida, muitas vezes o que me consola são as fotos, as lembranças e as risadas daqueles que um dia esteve perto e hoje, estão longe. Ao deitar-me, abraço o travesseiro como se nesse ato, estivesse quebrando o gelo da tecnologia e da vida, como um todo.
No fim, essa nova onda, nada mais é do que a cópia da sociedade atual. Parece que as pessoas têm medo de se aproximarem e preferem viver cada um no seu próprio mundo. Eu, apesar de já admitir que não vivo mais sem um PC ao lado, ainda preso pelo afago, pelo carinho e contato presentes. É ali, que sinto verdadeiramente todo o sentimento puro, que foi maquiado pelo mundo globalizado.
Não conseguiria namorar, casar e ter uma relação estável por meio de maquinas. As uso para encurtar distancias desabafar situações e escrever e como toda romântica trocaria o meu computador por uma passagem, de ônibus mesmo para poder reviver os momentos presenciais. E aí, alguém quer comprar meu notebook?

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Saga de uma viagem inesquecível parte 2.




No segundo dia de viagem saímos do HTO e fomos em busca da Sede do PCdoB. Não tínhamos a mínima noção de como chegar ao nosso destino. Entramos em um ônibus e o mesmo nos deixou, sem cobrar nada, em um lugar de fácil acesso para pegarmos um moto táxi.
Assim que chegamos à surpresa em saber que já éramos esperadas. De cara conhecemos o Paulinho que com toda boa vontade começou a nos ajudar em alguns assuntos ainda pendentes.
De lá, fomos para a sede da CTB e acabamos conhecendo mais uma galera super legal inclusive um boliviano que estava de passagem. De carro, fomos sendo apresentadas a Porto Velho. Nossos olhos eram atentos e curiosos afinal era tudo uma doce novidade.
Na parte da tarde voltamos para o HTO. O cansaço falou mais alto e o sono se fez necessário para recuperarmos as energias gastas numa velocidade imensa.
À noite, voltamos para a Sede e de lá fomos para um barzinho. Com o calor, uma cerveja gelada caiu perfeitamente bem. Engraçado, mas apesar de ser uma cidade com rio, a sensação foi de estar no litoral. Acho que era por causa da umidade que fazia a nossa pele parecer um adesivo de tão grudenta.
Comemos dourado frito e experimentamos o verdadeiro bombom de cupuaçu e castanha. Maravilha viu? A minha alegria era contagiante. Quem me conhece sabe o quanto eu amo viajar para lugares diferentes. Parece que a minha alma resplandece e fico mais leve. Acho que é por isso que tenho estudado tanto, para poder viajar muito e descobrir cada lugar escondido no Brasil.
Chegamos ao hotel de madrugada cantarolando e agradecendo a Deus pela aventura que estava só no inicio.

domingo, 1 de novembro de 2009

Obrigada.








Estou passando por um momento meio delicado e difícil até de lidar porque entra muito a fundo nas minhas emoções. Digo que estou vivendo porque sou obrigada a tal pois por mim eu ficaria trancada no meu quarto vendo a vida passar mas como não posso e claro, não devo, o jeito é lutar então numa guerra insana entre o racional e o emocional. Não sei ao certo quem vencerá. Porém, graças a Deus tenho amigos verdadeiros aos quais posso recorrer sem medo e sem máscaras. Eles me amam e me aceitam, o que faz então, meus dias terem um pouco de sentido.
Amo muito vocês. Meus braços, minhas pernas, meu sorriso e meu coração. Sei que a dor será breve e isso vai ser mais breve ainda por causa do conforto que me dão.
Simplesmente obrigada.


E quando eu estiver
Triste
Simplesmente
Me abrace
E quando eu estiver
Louco
Subitamente
Se afaste
E quando eu estiver
Fogo
Suavemente
Se encaixe...

E quando eu estiver
Triste
Simplesmente
Me abrace
E quando eu estiver
Louco
Subitamente
Se afaste
E quando eu estiver
Bobo
Sutilmente
Disfarce...

Mas quando eu estiver
Morto
Suplico que não me mate não
Dentro de ti
Dentro de ti...

Mesmo que o mundo
Acabe enfim
Dentro de tudo
Que cabe em ti

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Resposta para uma pergunta retórica.




O QUE EU NÃO FIZ PARA ELA NÃO QUERER FICAR AQUI?

Você fez em poucas horas muita coisa. Fez-me sentir o gosto de um beijo verdadeiro. Me fez acreditar em palavras, gestos, olhares e sorrisos. Abraçou-me sem esperar nada em troca, me acolheu em seus braços, escutou minhas mágoas. Contou piadas que me abriram um sorriso. Desejou-me sem, desejar nada em troca. Ofereceu-me musica, me ofertou algo simples porem com um valor inestimável. Em poucas horas fui aos céus, fui ouvida, desejada e não só como mulher e militante, mas sim como pessoa. Enfim, voltei a acreditar que eu realmente era admirada. Nossas bocas confirmaram isso e as minhas lágrimas ao ir embora foram sinceras. Sinceras como as poucas horas ao lado teu.

Dentro do avião me debulhei em lágrimas e quase disse para o piloto: Para tudo que eu quero descer. Porem já era tarde.

Não trocamos contato. Sabíamos que não era necessário. Um ainda ouviria falar do outro. Ouvimos e nos ouvimos. Realmente não duvido de nada, nada mesmo.
Se tiver que esperar algo, só o tempo irá dizer porem a distancia acaba ao olhar as fotos e lembrar-se dos momentos.

Agora, cada um esta seguindo seu rumo, mas com a tranqüilidade do carinho e admiração e isso, o tempo não apagara.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Estatuto de Proteção ao Concurseiro - EPC




Titulo I
Dos Princípios Principais
Art. 1 O EPC- Estatuto de Proteção ao Concurse iro, formado pela união dissolúvel dos desempregados, desamparados, bitolados, sem vida social e sem dinheiro que desejam urgentemente uma aprovação tem como fundamentos:
I- A folga pelo menos uma vez por mês;
II- A ajuda de custo;
III- A dignidade como um ser pouco humano
IV- Os valores mais baixos dos cursinhos
V- A escolha de bancas decentes.
Parágrafo Único. Todo poder vem da nossa força de vontade de ficarmos horas debruçados nos livros e nos direitos deveram ser cumpridos de acordo com esse Estatuto.
Art. 2 São Poderes do Concurse iro só e somente só seu direito de sonhar com a aprovação.
Art. 3 São objetivos fundamentais do concurse iro:
I- Ter acesso a mais bolsas de estudos
II- Garantir a cerveja do fim de semana
III- Erradicar a falta de beijo na boca
IV- Lutar contra professores ruins
V- Promover a união dos pobres para comprar um livro velho.
Art. 4 O EPC rege-se nas suas relações extraclasse pelos seguintes princípios:
I- Independencia financeira
II- Acesso livre ao cartão de crédito dos pais
III- Aumento das horas no computador
IV- Alimentação digna e não o bandejão do cursinho
V- Idas ao cabelereiro
VI- Solução dos problemas emocionais.


Titulo II
Dos Direitos e Garantias Essenciais
Art. 5 Todos são iguais perante a lei e nela encontramos forças para poder lutar por condições mais dignas e mais justas de alimentação, moradia, transporte, laser, aumento de mesada, custeio da cerveja, idas ao cabeleireiro, tarde de compras e fofocas com as amigas, nos termos seguintes:
I- Concurseiros e concurseiras são iguais perante a lei, portanto mais vagas na policia para as mulheres
II- Ninguém será obrigado a estudar no dia do seu aniversario
III- A morte do cachorro chato da vizinha é sim um bom motivo para matar aula
IV- Socorrer sua melhor amiga quando o namoro dela terminar
V- Aulas de atualidades deveram ser sobre temas sérios sendo vetada a morte do Micon Jackson
VI- Ninguém será privado de receber cafunés numa noite chuvosa só porque tem aula de matemática no dia seguinte
VII- A loira que senta ao seu lado e o nerd do final da sala podem sim ser mais inteligentes do que você
VIII- Concurso é questão de sorte por isso leve para prova um trevo de quatro folhas, um pé de coelho e a foto do Gianechine
IX- Seu pai nunca vai achar que você estava estudando se chegar em casa feliz. Por isso cultive suas olheiras
X- A compra de gabarito é um crime serio afinal se você tem 30 mil para comprar um porque esta estudando?


Titulo III
Das Disposições finalísticas e finalizadoras

Art. 6 Concurse iro já virou profissão por isso tem que haver férias remuneradas de 30 dias, auxilio taxi, auxilio pizzaria, auxilio coca-cola, adicional por tempo de estudo, acréscimos por reprovações em provas e diminuição da longa jornada de trabalho, opôs, de estudos.
Parágrafo nem tão único. Caso o seu financiador ache demais todos os seus pedidos argumente pelo menos que você precisa de um vale alimentação maior e de um colchão de água para pelo menos poder sonhar que esta numa piscina.
Art. 7 Algum concurse iro revoltado e seu enorme grupo de apoiadores assinam assim esse Estatuto como forma de pelo menos deixar escrito nossos desejos e votos de um futuro mais digno para aqueles que tem uma árdua rotina a espera de obter quem sabe uma alta pecúnia - se você não sabe o que é isso, esta na hora de parar de sonhar e estudar um pouco mais.

Minha casa, em algum dia de outubro de 09.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Saga de uma viagem inesquecível. Parte 1.


Hotel de Trânsito dos Oficiais.


Já deveria ter começado a escrever sobre a viagem mais inesquecível dos últimos anos porem, foi só voltar para minha cidade que a rotina me sugou de uma vez. A sensação que tive foi ter ficado um mês e não uma semana longe dos meus afazeres. Quando desci do avião me dei conta das responsabilidades que eu ainda tinha, dos concursos, das inúmeras horas debruçadas em frente aos livros. Diferentemente da sensação ao subir no avião e ir para uma cidade longe chamada carinhosamente Porto Velho.

A saga começou desde a inscrição para um concurso ou na verdade, bem antes. No fundo, toda essa viagem foi motivada pelo desejo de um reencontro que aconteceu sim, mas que não foi nem de longe o esperado.
Comecei então a correr atrás de amigos, hospedagem, passagens de avião, dinheiro, enfim, comecei a batalhar por uma estrutura mínima de sobrevivência na selva. A internet e os contatos da minha vida de militante do PCdoB foram grandes aliados para essa doce aventura. É sem isso tudo seria bem mais difícil do que já foi.
Entrar no avião e depois de 3 horas estar em contato com um mundo novo foi à certeza de que o esforço seria bem recompensado afinal, já fui recebida com um calorão de boas vindas. Enfim estava na região Norte para poder conhecer as belezas de um estado que definitivamente e digo infelizmente não esta no roteiro dos mais visitados.
Desembarcando fomos diretamente para a nossa hospedagem. Sim, desembarcamos, pois eu não seria louca de fazer uma viagem dessas sem uma amiga (ok, seria sim, mas com companhia é bem melhor) e fomos para o HTO ou Hotel de Trânsito dos Oficiais, no coração da vila militar e numa das partes mais altas da cidade. Ao chegarmos, a surpresa do quarto ser muito melhor do que o visto pela internet. Pelo preço que pagamos posso dizer que foi um luxo só.
Como aquele é um típico lugar de hospedagem masculina e nos éramos mulheres lindas, desprotegidas e delicadas, todas as atenções voltaram-se para nos afinal, não é sempre que um lugar desses recebe beldades. Se antes tínhamos alguma duvida do que poderíamos esperar desse passeio aos poucos as duvidas foram sumindo e dando lugar ao desejo insano de aproveitar cada segundo que ainda estava por vir com a responsabilidade de um adulto, mas com o sorriso e a magia de uma criança.....

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Doe Sangue..........e Salve várias vidas.



Hoje o blog vai ter uma função séria e importante: a conscientização. Quarta-feira recebi um e-mail de um camarada de Montes Claros pedindo ajuda para salvar sua mãe que esta a vários dias na UTI. Uma das partes do seu tratamento consiste em fazer hemodiálise e transfusões sanguíneas. Infelizmente, por morar longe não pude atender ao seu pedido, porém, como doadora e incentivadora resolvi então fazer a campanha: Doe Sangue e Salve várias vidas.

Há critérios que permitem ou que impedem uma doação de sangue, que são determinados por normas técnicas do Ministério da Saúde, e visam à proteção ao doador e a segurança de quem vai receber o sangue.

O doador deve...
- trazer documento oficial de identidade com foto (identidade, carteira de trabalho, certificado de reservista, carteira do conselho profissional ou carteira nacional de habilitação);
- estar bem de saúde;
- ter entre 18 e 65 anos;
- pesar mais de 50 kg;
- não estar em jejum; evitar apenas alimentos gordurosos nas 4 horas que antecedem a doação.

Impedimentos temporários
- Febre
- Gripe ou resfriado
- Gravidez
- Puerpério: parto normal, 90 dias; cesariana, 180 dias
- Uso de alguns medicamentos
- Pessoas que adotaram comportamento de risco para doenças sexualmente transmissíveis

Impedimentos definitivos
- Hepatite após os 10 anos de idade
- Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças transmissíveis pelo sangue: hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas
- Uso de drogas ilícitas injetáveis
- Malária

Intervalos para doação
- Homens: 60 dias (até 4 doações por ano)
- Mulheres: 90 dias (até 3 doações por ano)

Cuidados pós-doação
- Evitar esforços físicos exagerados por pelo menos 12 horas
- Aumentar a ingestão de líquidos
- Não fumar por cerca de 2 horas
- Evitar bebidas alcoólicas por 12 horas
- Manter o curativo no local da punção por pelo menos de 4 horas
- Não dirigir veículos de grande porte, trabalhar em andaimes, praticar pára-quedismo ou mergulho

Hoje esse pedido é para alguém que você não conhece, mas amanhã alguém que você ama pode precisar.

PENSE NISSO.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Tentações.


Não resisto a um cabelo preto, uma pele clara e olhos escuros. Derreto-me por um olhar safado numa cara afetuosa e um sorriso maroto.
Não resisto à combinação de camiseta pólo, jeans e sapato social, porém às vezes tênis com bermuda também despertam o meu olhar.
Adoro receber chocolates, cartas perfumadas, convites para jantar. Admito que curto sim assistir a um bom jogo de futebol, tomar uma cerveja, jogar conversa fora.
Não resisto àquele que me faça rir porem que também me faça sonhar acordada. Que me ensine sobre música, que leia bons livros, mas que também saiba apreciar uma sessão de piadas.
Derreto-me quando me oferecem músicas, quando me presenteiam com futilidades ou quando simplesmente andam de mãos dadas num silêncio acalentador.
Não resisto a um perfume forte, a flor na lapela, a óculos de sol. Como também é impossível resistir a uma sessão da tarde regada a coca-cola e pipoca de microondas.
Admiro passeios ao ar livre, a noites com um bom bolero ou mesmo um forró.
Amo ir a churrascos, passar um fim de tarde na beira no lago e ao sentir frio receber um gostoso abraço para aquecer-me.
Não resisto dormir abraçada, de conchinha com a luz apagada recebendo cafunés e sussurros ao pé do ouvido.
Amo programar viagens ou breves passeios e no caminho ir cantarolando alguma música condizente com o momento.
Não resisto a telefonemas dados sem motivo, a mensagens no celular e a depoimentos no Orkut.
Confesso que prefiro os baixos, porém os altos, se bem apessoados tem seu grande valor.
Não resisto a um abrir a porta do carro, a puxar a cadeira para eu me sentar e a servir meu copo com uma boa bebida.
Não resisto então a coisas normais para qualquer jovem mulher, porém tenho que parar com a maior de todas as resistências, que é resistir a amar novamente puramente pelo medo de sofrer.



Obs.: esse texto foi inspirado no texto Queda do blog do Gustavo Jaime.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

A difícil arte de dizer ADEUS.

A vida é feita de momentos. Momentos esses que serão lembrados sempre. Na grande maioria da vezes as lembranças ruins superam as boas. O que é um erro, um grande erro. Temo então que ter a cabeça no lugar e saber separar o joio do trigo, como diz na Bíblia.
O sorriso no rosto nada mais é do que uma obrigação na hora da dor principalmente quando a mesma não é esperada. Sim, algumas dores são programadas como a dor da morte agora pior do que alguém morrer, é ter que ser enterrada viva pois assim é o certo.
Vivi de esperanças, de sonhos que cheguei a sonhar porém, depois de horas de entregue veio o pesadelo, ou melhor, veio a não realização de um Conto de Cinderela esperado a quase meia década e desejado nos meus sonhos mais secretos que no fim, foi dividido com algumas pessoas e confesso que poucas me apoiaram.
Eu precisa sentir novamente o gosto do beijo, as mãos passeando pelas minhas, os olhares se cruzando com intensidade, os corpos se desejando incansavelmente. Era algo mais forte do que eu e muito maior do que qualquer comentário fora de hora e no fim, acabei vivendo intensamente tudo o que tinha esperado mas o fim veio rápido demais. Tão rápido que na hora não absorvi. Tão frio e gélido que fez arrepiar minhas espinhas num calor escaldante do Norte do País.
Nas margens do Rio Madeira a noite senti a leve brisa roçar os lábios que estavam juntos e o vento passar suavente entre os nossos dedos. Senti medo ao atravessar uma balsa e fui amparada. Ali o medo de qualquer coisa passou e restou só o incontrolável desejo de mergulhar fundo na minha alma que agora não era mais minha. Já tinha sido docemente entregue.
Foi também nas margens desse rio porém com um sol a fechar a vista que o penúltimo beijo foi dado. Um beijo amargo, parecido com açaí sem açúcar. Um beijo quase que de despedida, seguido por uma conversa franca mas cheia de interrogações e lágrimas, que escorreram sem o menor controle e desejo.
Conheci um Estado novo, uma cidade nova, um lugar exótico e diferente. Valeu á pena. Tudo foi valido. Apesar da dor, das lágrimas, foi bom tudo tudo mesmo mas temos que colocar um ponto final e essa é a hora.
Evitar contato, evitar pensar no que é ruim. Guardar então só as fotos e os fatos. Esquecer sem dó das lembranças tristes, da sensação de abandono.
Nada será jogado fora. Fez parte do que vivi, fez parte da minha história. Uma história que começou na minha cidade, atravessou fronteiras, rios, balsas..... Uma história que teve seu começo, seu meio e um fim que era para ter sido dado a muito tempo mas foi postergado.
O vazio baterá principalmente quando abraçar o travesseiro imaginando que ali podia ser ele. Ele com quem dormi abraçada e abracei num desejo insano de ser para sempre, por todos os meus dias. Agora caberá a mim ser mais forte do que a vida, superar a dor da morte e seguir em frente como venho seguindo até aqui então.
Agradeço pelos beijos, abraços, telefonemas, recados no orkut, cartas. Agradeço pelo almoço perfeito, pela noite intensa e pelo carinho não negado enquanto foi conveniente. Agradeço por poder sonhar e por ser cor respondida por um breve mas chegou a hora, tendo em vista que nem a amizade cabe mais. O que cabe é só um recado esporádico e se couber isso.
Por mais que me doa, que me corte o coração, que me sangre o peito:
ADEUS Marco Túlio.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Adversidades? Passe por cima e seja feliz.

Nem sempre podemos ser donos do nosso próprio destino. Destino. Será mesmo que mandamos nele? Tenho lá minhas dúvidas quanto a resposta e como a vida dificilmente nos dá cinco alternativas como numa prova de concurso, morrerei com o gosto da não descoberta.
Somos fortes, é isso. Descobrimos um poder de passar por cima das situações difíceis sem nunca imaginarmos porém temos que vivê-las para então gozar do delicioso prazer de escalar até o alto.
Ninguém conseguirá aprender as artimanhas da vida se não vive-la de frente, der literalmente a cara para bater. Viver é se libertar das amarras, dos medos e das angústias. Viver não requer ansiedade e muito menos programação. Viver de verdade doí, machuca.
Enquanto moramos com os nossos pais tudo é muito fácil, porém, chega uma hora que temos que ir ao encontro daquilo que acreditamos e o pior sozinhos. Nossos amigos não poderão fazer nada além de nos desejar boa sorte e os nossos pais simplesmente rezarão. É o que tem que ser feito.
Sou dependente. Por mais que já tenha militado muito não consigo pensar na possibilidade de ficar só. Odeio solidão mas entendo que ela se faz necessária. É no silêncio que muitas vezes nos encontramos e crescemos pois assim, encontramos boas soluções.
Deus, em sua magnitude nunca nos deixa desamparado. Digo isso porque sempre quando Ele me tira algo, me surpreende com algo diferente, que acaba sendo melhor. Não é fácil reconhecer mas é necessário e digno.
Se for então para passar por várias provações eu aceito. Se for preciso ficar preciso ficar só para poder crescer, também aceito. Por mais que doa sei que faz parte da vida. Não é em casa rosa que superarei os obstáculos colocados em meu caminho e sim, enxergando na mais complexa situação o verdadeiro sentido da existência.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Quem tem que saber...........sabe.

Nós nem éramos próximos. Nos conhecemos numa dessas aventuras da vida. Praia, sol, um passeio com a galera para algum lugar legal que eu ainda não conhecia da sua cidade. Quase não conversávamos e pra ser bem franca, ao lado dele eu me sentia meio tímida afinal, era um dos meus superiores na nossa juventude partidária e também, porque não tinha espaço para além de um oi, tudo bem?
Imagina, uma mesa com 10 jovens falando ao mesmo tempo. Quantas vezes desejei que tudo parasse para eu ficar olhando o seu sorriso e que sorriso.
Bonito, bonito ele não era mas tinha algo de charmoso, um que, que eu não sei explicar.
As férias acabaram e a separação foi inevitável, porém, eu tinha que voltar para a minha cidade, mas voltei com a certeza de um reencontro e o mesmo, 4 meses depois aconteceu.
Abraços, afagos, um querendo saber o que o outro fez nesse tempo em que estivemos separados. E ele, ah, ele eu só vi no penúltimo dia de congresso. É, estar no meio de de 7 mil jovens e tendo que se dedicar as plenárias do Movimento Estudantil não é tarefa fácil.
Em alguns momentos ele passava do meu lado, acenava levemente com a mão e seguia seu rumo e eu, ficava só admirando, parecendo uma boba.
Na hora do ónibus partir, minha vontade era de chegar e falar o quanto eu estava encantada. Mas e o medo de levar um fora? Acabei me contentando com a vontade.
Três meses se passaram e não sei se foi um milagre ou destino mesmo, só que do nada ele veio conversar comigo. Perguntou o trivial . Do papo para o beijo tão esperado foi um pulo. Que beijo....... me senti nas nuvens. Foi rápido e encantador.
Nossa história continua até hoje e a saudade diminui a cada congresso que participamos e também é amenizada pelos papos na Internet. O mais engraçado é que apesar do encantamento, da cumplicidade que temos, apaixonar-se seria inviável e até loucura por causa da vida que cada um leva.
Aprendi que muito mais que abraços, beijos e pegações, o que realmente importa é o gostinho do reencontro com toda sua magia e beleza e digo mais, se tudo terminasse hoje, a amizade e a lembrança dos momentos bons, perdurariam para sempre.


OBS: esse texto foi escrito no dia 18 de julho de 2007.

sábado, 12 de setembro de 2009

Estou fraca.

Estou fraca. Minhas pernas não obdecem mais os meus comandos. Minha mente só raciocina o lógico e óbvio. Nessa loucura parece que só tenho sentimentos ao escrever.
Estou fraca. Minhas rugas começam a aparecer. Uma jovem garota tomada pelas marcas do tempo.
Não sou jovem. Não tenho mais condições de sair por aí a qualquer hora. Fui obrigada a provar o gosto amargo do amadurecimento. Não vivo com o mesmo sorriso de antes. As duvidas quanto ao meu futuro se fazem presentes.
Jovens tem sono, tem sonhos e vontade de parar o mundo. Não durmo. Só vivo a dura realidade que me cerca. O mundo, por mais que eu esteja sangrando não vai parar.
Estou fraca. A escravidão da moda me obriga a ter um corpo perfeito, sem barriga porém o que eu como mal dá para sustentar minha atribulada rotina.
Estou fracaq. Sinto que a qualquer hora posso desabar mas isso não me é permitido.
Olho-me no espelho e até que não acho de todo um mal o que vejo. O olhar mudou é fato. Na verdade,todo resto continua igual. Junto com o olhar, mudaram também os rumos tomados na vida.
Estou fraca. Grito por um colo. Um colo que já posso mais ter. Sou adulta e não mais a garotinha do papai.O colo dele não suporta mais o meu peso porém,ainda aguenta forte as minhas lástimas.
Estou fraca. Sem o direito sequer de ficar adoentada. Meu corpo se condicionou a ser uma máquina mas toda máquina um dia pifa, e essa está quase lá.
O que me faz então, acreditar que eu ainda posso ser forte é a credulidade que tenho em Deus. O Pai vê cada leão por dia que sou obrigada a matar. Em nome Dele encontro forças para poder me reerguer.
Mas ainda assim me sinto fraca.
Até quando?

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Inquietude.

Vivi muitas vezes sonhos. Sonhei com coisas impossíveis. Fui além do que podia ir e me glorifiquei por isso. Jurei coisas que 1 semana depois não fizeram mais sentido. Briguei com Deus por ele haver levado quem mais amava. Chorei agarrada ao travesseiro mas no fim, aproveitei o luto para depois continuar lutando.
Já me decidi. Não é aqui que quero ficar. Amo a minha cidade porém, amo muito mais a aventura. Desejo me aventurar por lugares que jamais pensei em conhecer. Necessito aproveitar a inquietude dos meus 22 anos, essa mistura de medo com euforia que só quem já passou por essa fase entende o que quero dizer.
Não tenho vergonha de admitir a minha impaciência, a minha eterna busca pelo novo, nem que seja o novo sorriso de um amigo. A palavra comodismo definitivamente não entra nos meus textos e muito menos na minha vida.
Penso em me jogar no mundo, em dar as cartas e sair por aí. Venderia tudo o que tenho mas não posso continuar estática. Vai entender.
Posso então, não saber pra onde vou mas estou certa em saber aonde não quero ficar.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Quem mais me critica é quem mais precisa de mim.

Estranho o título desse texto né? Na verdade, pode parecer estranho mas ele tem sim alguma ou qualquer lógica porém, pude comprovar o que digo.
Há alguns dias tive uma DR com uma amiga e ela me disse coisas que eu precisava saber e escutar mas que não queria enxergar pelo simples motivo do meu mundo cor de rosa não me permitir. Coisas que doeram de verdade, que me fizeram chorar muito mas que me aproximaram muito mais da verdade.
Até então eu estava vivendo num mundo de ilusões, achando que o culpado do mundo era qualquer um, menos eu. Ledo engano. Eu estava errando tanto mas me achando tão certa que não suportava ouvir um não. Tinha a absoluta certeza que só merecia sims(como ainda acho um pouco é fato) mas depois de uma noite praticamente em claro vi que tinha que mudar e o melhor,por onde começar.
Jurei que várias pessoas a minha volta eram amigas, enquanto na verdade, nem chegaram perto de ser. Eu odeio falar pelas costas e foi isso que fizeram comigo, não sendo homem e nem mulher para chegar até mim e falar o que pensavam.
Numa parte da DR, pedi que essa minha amiga nunca me abandonasse e ela, com seu jeito meio bruto de ser me deu um abraço tão mágico, que a muito não recebia de ninguém,nem mesmo da minha mãe. Ela sim, foi amiga, irmã, confidente, psicológo e tudo o mais.
Meu egocentrismo só estava me atrapalhando. Eu queria ser ouvida pelas besteiras que falava mas não na verdade pelo que sou......... se bem que, pouco sei quem sou porém a certeza de quem sou vem quando vejo o meu lado cultural, o meu livro, as minhas experiências. Ali sim, admito que já fiz muito mas sei sim que posso fazer mais.
Ando meio calada. Estou ouvindo mais que falando. Respondendo mais do que perguntando. Observando mais do que ser observada. Jurei durante 22 anos que jamais iria conseguir isso. Esta sendo bom, afinal estou vendo as pessoas como elas realmente são e numa boa, sabe quem vai me ver como realmente sou? Só quem interessa e esses eu já escolhi o dedo. São aqueles que me criticam mas que também me amam, me apoiam, me seguram com as duas mãos. Não preciso mais me mostrar para ninguém. Um dia, ainda ouviram falar de mim, fato mas de alguém que cresceu na vida contrariando o seu próprio destino- ser uma garotinha mimada e dentro de uma redoma de vidro.
Doí assumir os meus defeitos. Sangra lá na alma mas vejo isso como um processo de mudanças. No final, quem só me critica mas não acrescenta nada ainda será duramente criticado. Deus e a vida sabem o que fazem.
Estou então, quebrando barreiras e paradigmas, não aceitando rótulos e nem piadinhas. Ta aí, porque não dizer que estou enfim aprendendo a me impor? Isso é tão bom.
Nunca imaginei como é perfeito andar sem um peso enorme nas costas.
Vó, Vô, Mãe, agradeço por5 tudo mesmo o que vocês são para mim mas vocês erraram. Não sou essa bonequinha de pano, frágil e delicada porque nasci sem pai. Eu sou grande e quero ser forte mas para isso preciso desatar nós e laços. Estou na hora de seguir meus passos. Quero sempre contar com o amor de vocês mas não com esse amor amor que sufoca e sim com aquele amor que alimenta de verdade. Vocês são e serão tudo de mais precioso que tenho na vida só que agora eu quero outra vida. Quero tomar minhas decisões. Se eu errar? Paciência. Começo do zero.Necessito disso para poder seguir meu rumo que estou trilhando.


E Elisa, obrigada por tudo.

domingo, 16 de agosto de 2009

Momento in.

Estou afastada do blog, da vida, do mundo. Estou vivendo o meu infinito particular sendo pequenina e também gigante. Não estou querendo que ninguém se perca ao entrar no meu infinito particular. Ele por enquanto é só meu.
Na verdade estou buscando um rumo no meio de um turbilhão de livros e assim tentar me livrar da loucura que é o mundo. Me livrar das pessoas hipócritas.

Assim, quando der então, voltarei a postar mas por enquanto a busca é outra.

Bom domingo.

sábado, 25 de julho de 2009

Ah, aquela roupa...


Quantas vezes paramos para sonhar com alguém ou algum momento e vem em mente uma música, uma poesia, um lugar ou até mesmo uma frase solta. Eu, como toda jovem romântica, tenho lá os meus momentos de suspiro a meia luz porém, uma coisa que sempre marcou muito e creio que sempre marcará era a roupa que eu estava usando.
Extranho né? Para mim não. Roupa tem haver com pele e pele é algo inexplicável. Nunca vou esquecer por exemplo o que eu vestia quando aconteceu meu primeiro beijo - era um vestidinho preto e básico mas que fez história naquele momento.
E quando se termina um relacionamento e você abre seu armário e vê um monte de peças do ex? Dá vontade de rasgar todas ou se não queimar para vê se o cheiro da pessoa sai de perto das suas coisas, por mais que você ainda sinta o perfume dele ao longe.
Melhor do que receber um elogio em trajes mínimos é receber o mesmo quando se esta vestida de uma maneira simples e se esse elogio for de um gato maravilhoso....ai pronto. Aquela camisetinha velha, de fundo de gaveta passa a ser a peça curinga. Vai dizer que não.
Consigo sim, na imensidão da minha mente associar roupa a momentos. A camiseta do arrependimento foi a última que usei em uma viagem que não deveria ter acontecido. O short preto com blusa amarela tem a cara dos encontros com as amigas. E a roupa que usei no dia em que me despedi da dança, blusa de onçinha, jeans justo e sapato preto alto. Momentos marcantes.
Não tem jeito, podem até suspirar por uma música, um poema ou uma carta mas será que alguém esquece a roupa de um encontro mágico? Posso apostar que não.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Paródia para terminar a semana rindo.



Essa é uma paródia que fiz em cima de uma música da dupla Victor e Leo. Bom, a história que está nela aconteceu(claro que não bem dessa forma) porém o único objetivo é rir um pouco.

A Patricinha e a Ex.

Sou uma moça da cidade
To chegando de viagem,vim encontrar
Meu roceiro, meu amor
O mais galante desse interior

Sei que aqui a uma ex
Que não sabe que perdeu a sua vez
Mas eu chego no seu lado
Com cabelo arrumado e perfume importado

Sou a tal da ex que a patricinha falou
Não escondo a questão
O roceiro é dono da minha paixão

Ela acha que beleza aumenta o amor
Mas se fosse fácil assim
O belo não ligava mais pra mim

Enquanto a gente xinga por alguém
A gente fica bem aquém
Apronta, insiste mas no fim das contas o belo desiste

O sua ex da um tempo
Desse jeito eu não agüento a insistência
Só por causa de você
O roceiro não decide o que fazer

Patricinha, minha amiguinha
O seu caso não tem solução
Ele gosta dessa ex
Que o amou mais de uma vez

Vou pegar as minhas coisas e lutar pelo que é meu
Em seu lugar eu iria também
Em busca de um playboy que só a queria bem.


segunda-feira, 20 de julho de 2009

Feliz Dia Internacional do Amigo.


Comemorar. É só isso que tenho a fazer no dia de hoje. Ao longo dos meus 22 anos tive a sorte de sempre ter encontrado bons amigos no meu caminho. Claro que nem tudo são flores pois alguns se mostraram menos amigos do que eu imaginava porém outros foram tão verdadeiros que não tenho nem como agradecer seu carinho, seu apoio, seu sorriso, sua confiança. Esses são aqueles que carinhosamente chamo de irmãos.
Acredito que a distância que enfraquece o amor, fortalece e muito as amizades. Pude comprovar essa frase durante esse fim de semana em um congresso que participei. Amigos que eu não via há anos, abriram um sorriso a me ver e comemoraram tanto a minha presença que foi digno largar tudo e ir ao encontro deles. Com alguns, a conversa continuou do mesmo ponto em que paramos da última vez e com outros, o papo foi novo, mais leve e mais gostoso, esquecendo assim, algumas mágoas que ficaram no passado.
Ultimamente ando distante, pois fui tragada pelo mundo obscuro dos concursos, mas no fundo, o que me conforta é saber que quando eu quero rir, chorar, falar bobagem, jantar fora, sair para algum lugar, sei que sempre terei ao meu lado os meus amigos. Eles sabem dessa minha nova vida e entendem o meu tempo, me deixando livre para então poder seguir meu rumo. No fundo, todos sabem que quando eu for vitoriosa, os agradecerei por tudo.
Por mim, teria todos aqui, bem perto de mim para eu poder dizer o quanto a vida seria sem graça sem a presença deles, o quanto eu sofreria se não pudesse contar sempre com eles, mas entendo que como eu, cada um segue sua vida, seu dever. Que cada um tem uma missão a cumprir, um leão por dia para matar, sonhos a buscar, enfim. Cada um tem a obrigação de se destacar, como eu estou fazendo. A única certeza que tenho é que lá na frente, todos se encontraram e celebraram a amizade que pudemos construir.


"Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles. A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar. Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não têm noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do meu mundo..."


´´Gosto de você, não apenas pelo que você é, mas pelo que sou quando estou com você. Gosto de você por colocar a mão no meu coração transbordante, passando por cima de todas as coisas frívolas e fracas que você não pode deixar de ver, e levando para a luz todas as coisas belas e radiantes que jamais alguém encontrou por não ter procurado tão fundo. Gosto de você por não dar atenção às possibilidades da tola que está dentro de mim aumentando a minha música por me escutar com reverência. Gosto de você por estar me ajudando a construir com os trastes de minha vida, não uma taverna, e sim um templo, e com minhas palavras, não uma censura, e sim uma canção. Gosto de você por ter feito mais do que qualquer doutrina para me fazer feliz. Você o fez sem um toque, sem uma palavra, sem um sinal. Você o fez sendo você mesma.Por isso, digo o mesmo... Conte comigo sempre!!!´´


































quarta-feira, 8 de julho de 2009

A arte de escrever.

Tudo começou na pequena escolinha primária. As paredes era claras e as mesas em círculo, onde sentavam-se umas 5 crianças. Ali, comecei a descobrir a mágica, a verdadeira mágica. Juntava as letras que juntas, formavam silabas. Essas sílabas tinham sons e as letras formas. Um universo paralelo.
Um tempo depois, as palavras se uniram e viram frases. No início curtas mas eram frases. Adorava então pegar os meus livrinhos e ficar lendo em voz alta para todos perceberem que eu já sabia o que era um fonema(não com essa palavra claro). Será que alguém podia sentir a cocega que eu tinha na língua? Duvido. Era mágico demais.
Anos depois me ensinaram a arte da interpretação de texto. Mais mágico impossível. Era perfeito a sensação de ler um texto e tentar entender o que o autor queria me passar. Essa foi então a época em que mais li. Lia de tudo, tudo mesmo. Cecília Meireles e Pedro Bandeira eram os meus favoritos, como ainda são.
Comecei a sentir que só ler não adiantava. Eu tinha que expressar minhas emoções, meus desejos. Com doze anos pude enfim encontrar o verdadeiro paraíso. Agora eu que tinha que passar uma mensagem para poderem decifrá-la. Presente de Deus. Um presente como poucos.
Hoje, a arte de escrever se traduz em tudo o que eu faço. Sou péssima para falar, além de ser extremamente gaga. Até para paquerar uso a junção de palavras. Sou ouvida por muitos mas não com os ouvidos e sim com olhos.
Escrever é falar com a alma e escutar com o coração.

terça-feira, 7 de julho de 2009

1 ano..............de blog.


Nesse mês o blog está fazendo um ano. Parece que foi ontem a minha conversa com o amigo Ramon e o mesmo quase me obrigou a monta-lo. Confesso que eu não queria de maneira nenhuma afinal sou mestre em começar certas coisas e não terminá-las, principalmente coisas rotineiras.
Já tive sim vontade de abandonar tudo,resgatar meus textos e pronto porém vi que ia ser uma grande besteira. Necessito ser escutada e esse é um dos caminhos.
Durante esses 365 dias postei tantas coisas. Fui da alegria a tristeza em questão de segundos. Do ódio ao amor em questão de horas. Da angústia por não saber pra onde ir e da certeza do caminho seguido em poucos dias. Vivi amores, morri de saudade, expus muito do que sou e pouco do que quero ser. Mergulhei em bons textos, em excelentes músicas e inesquecíveis lembranças.
Digo então que o blog é como se fosse a vida, com seus altos e baixos, com suas grandes lágrimas e seus poucos sorrisos. Profetizo ainda mais quando me refiro a simplicidade. Ambos são simples, a gente é que complica, algumas vezes com necessidade e outras francamente não.
Gostar de escrever e de viver. É isso que me motiva a sempre estar postando algo novo. Se vão gostar ou não? Realmente não me importo. Ninguém é obrigado a sentir as minhas lamurias, a comemorar minhas vitórias ou sofrer com minhas perdas mas não nego que é sempre bom poder vê que uma ou duas pessoas se aprofundam na minha essência.É ela que está mais exposta quando escrevo algo.
Para aqueles então que prestigiam o Com o Pensamento Se Vai Longe, só tenho humildemente a agradecer afinal foi por admiração a um blog e claro,insistência do dono dele que este singelo diário virtual surgiu e que agora anda com suas próprias pernas.
´´VIVER E NÃO TER A VERGONHA DE SER FELIZ
CANTAR E CANTAR E CANTAR A BELEZA DE SER
UM ETERNO APRENDIZ
EU SEI QUE A VIDA DEVIA SER BEM MELHOR E SERÁ
MAS ISSO NÃO IMPEDE QUE EU REPITA
É BONITA, É BONITA E É BONITA.´´

terça-feira, 30 de junho de 2009

Pausa nos estudos.

´´Pessoas que eram grandes no meu passado se tornaram pequenas no meu presente.´´ Achei essa frase, que li em algum texto perfeita para começar a escrever.
Passado. Será que realmente o mesmo já passou? Será que não deixou nenhum resquício no presente? Sou mestre nesse assunto. Quantas vezes desejei parar o tempo e trazer de volta pessoas que foram grandes para mim? Quantas vezes desejei não me espantar com sonhos que se transformaram em pesadelos? A angústia na alma, a dor no peito....
Ultimamente tenho dormido pouco, pois estou com medo. O sono não se tornou um bom aliado. Ele só é permitido quando o cançasso é inevitável ou logo após o almoço. Antes eu dormia para esquecer e hoje não durmo para não lembrar.
Sofro. Sofro cada dia mais. Sofro por não poder apagar da memória pessoas e momentos como também sofro por não ter a sensibilidade pra entender que outras pessoas não voltam. São grandes no passado e pásmem, maiores ainda no presente. São os sonhos que um dia foram verdades absolutas, sentidas e vividas cada segundo.
A vida já me pregou muitas peças, principalmente em relação a dores que não foram tão esclarecidas e pessoas que, por algum motivo, mesmo me causando dor, ainda continuam comigo, como se fossem minha outra sombra ou porque não dizer o meu outro eu? Parece que sabem mais de mim do que eu realmente sei, como se a frase: o meu passado me condena, fosse a maior afirmação.
No fundo, eu gostaria não que as pessoas fossem grandes ou pequenas, no presente ou no passado, mas gostaria simplesmente que o meu passado fosse pequeno e o meu presente pudesse ser enorme, assim oh, do tamanho do meu pensamento.

domingo, 28 de junho de 2009

Faz Um Milagre Em Mim.

Ontem, conversando com um antigo colega de Igreja, veio-me a confirmação de um desejo antigo - retornar a frequentar a minha religião.
Poucos aqui sabem mas eu já fui muito religiosa, de viver dentro da igreja. Época boa, que deixou saudades e claro, muitas lições boas.
A vida muda o seu rumo, seu percurso e o meu foi mudado mas no fundo sempre senti a necessidade de retornar ao Pai e aos teus ensinamentos e isso não significa que serei uma pessoa santa, até porque não quero mas quero sim, tentar não pecar tanto como eu pecava e seguir um caminho simples porém com frutos bons no final.
Esse colega me falou uma coisa que é a mais pura verdade, que uma pessoa sem religião é como uma casa sem moveis.

´´Como Zaqueu eu quero subir
No mais alto que puder
Só pra Te ver, olhar para Ti
E chamar Sua atenção para mim.

Eu preciso de Ti Senhor
Eu preciso de Ti, oh Pai
Sou pequeno demais
Me dá a Tua paz
Largo tudo pra Te seguir.

Entra na minha casa
Entra na minha vida
Meche com minha estrutura
Sara todas as feridas
Me ensina a ter santidade
Quero amar somente á Ti
Porque o Senhor é o meu bem maior
Faz um milagre em mim.´´

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Fica em paz Tia Célia.

Hoje o blog está de luto.

Morreu recentemente Tia Célia, mãe de uma grande amiga, a Cris.
Tia Célia era uma pessoa doce e meiga, com um coração enorme mas que também sabia ser brava e durona quando necessário. Era muito amiga e adorava jogar conversa fora. De sorriso fácil fácil, sabia receber bem todos aqueles que adentravam a sua casa.
Falar dela, é falar de alguém que infelizmente foi embora cedo mas que deixou muito para aqueles que a cercavam.
Nesses 6 anos que pude conviver ao seu lado, só tenho boas recordações. Sei que quando for a sua casa novamente será difícil não me emocionar porém, evitarei ficar triste afinal, não era assim que ela gostaria de me vê.


´´Ei Lolli, quer uma água, um suco?´´
´´Ei Lolli, a Cris ainda ta dormindo. Quer que eu a acorde?´´
´´Mas Lolli e você e o Marco, como estão?´´

Fica em paz Tia.
Saudades eternas.

... E ainda se vier noites traiçoeiras, se a cruz pesada for Cristo estará sorrindo e o mundo pode até fazer você chorar mas Deus te quer sorrindo. Seja qual for o seu problema fale com Deus, ele vai ajudar você. Após a dor vem a alegria pois Deus é amor e não te deixara sofrer...

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Música minha.

Essa música foi composta para poder relaxar um pouco a cabeça e esquecer do mundo.
Espero que gostem.

Sou assim sim.
Luciana Lopes.

Oh mainha te dou um recado
O meu rebolado é capaz de pirar
Na segunda vou pra capoeira
Lutar a noite inteira
Só quero gingar
Pé descalço
Não uso mais salto
O solado vou arrastar
Passo água de cheiro no corpo
Banho o pescoço
É assim que gosto de estar.

Já na quarta vou lá pro terreiro
Fazer oferenda pro meu orixá
Ponho vela, pinga de primeira
Até sexta feira eu quero casar
Peço a benção pro meu protetor
Com todo louvor vou acreditar
Sou mulher, guerreira,sou forte
Sou filha do norte
E Deusa do ar.

No domingo eu troco de roupa
Quando dá a louca
Saio pra dançar
Gafieira, forró e xaxado
Um passo trocado
Um brilho no olhar
Quem tem fé vem e se aproxima
Eu viro menina no arrastapé
Só não fico parada num canto
Eu danço e balanço até o sol raiar
Só não fico parado num canto
Se não o meu encanto
Não vai manifestar.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

10 anos se passaram.


Nesse mês comemoro 10 anos como escritora. Como o tempo passou rápido. Até hoje não acredito na quantidade de coisas que eu escrevi. Entre textos, músicas e poesias calculo que gera em torno de 500.

Quem me conhece sabe o tanto que eu amo escrever. Como já dizia Gustavo Jaime: escrever para mim é tão necessário quanto respirar.
Pra mim,não chega a tanto porém digo que a escrita é como se fosse uma válvula de escape. Definitivamente tenho o papel como meu grande confidente.

Para aqueles que acreditaram e ainda acreditam no meu talento, só posso dizer muito obrigada e que venham mais décadas dedicadas a arte de combinar palavras.
O Caderno - Toquinho e Vinicius.
Sou eu que vou seguir você
Do primeiro rabisco até o be-a-ba
Em todos os desenhos coloridos vou estar
A casa, a montanha, duas nuvens no céu
E um sol a sorrir no papel
Sou eu que vou ser seu colega,
Seus problemas ajudar a resolver
Te acompanhar nas provas bimestrais você vai ver
Serei sempre seu confidente fiel,
Se se pranto rolar meu papel
Sou eu que vou ser seu amigo
Vou lidar abrigo se você quiser
Quando surgirem seus primeiros raios de mulher
A vida se abrirá num feroz carrossel
E você vai rasgar meu papel
O que está escrito em mim
Comigo ficará guardado, se lhe dá prazer
A vida segue sempre em frente,
O que se há de fazer
Só peço a você um favor se puder
Não me esqueça num canto qualquer.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Ufa.

´´Um belo dia resolvi mudar e fazer tudo o que eu queria fazer.´´ Começo o texto de hoje com um trecho de uma bela música para ilustrar bem o que estou sentindo.
Há algum tempo, pedi a Deus para tirar pessoas ruins do meu caminho ou pelo menos me mostrar quem eram. Confesso que foi difícil porém, vejo como foi bom e necessário só que Deus nunca se contenta com pouco e o mesmo, além de me atender, mostrou-me também como fazer para separar quem entra e quem sai da minha vida.
Bingo........... meu olhar biônico ficou mais apurado. Nesse ano, deixei espaço livre para poder enfim ser mais leve com as pessoas e no fundo, acho que consegui, pois quando alguém ameaça vacilar comigo eu já corto logo. Na boa, cansei de ser idiota.
Vou exemplificar: essa semana saiu o resultado do meu primeiro concurso e pra mim, ficar em 2360 de 64 mil foi uma grande vitória. Nesse clima todo, contei a um ´´suposto amigo´´ esse meu feito e o mesmo falou que preciso subir muito. Porra(com o perdão da palavra) eu sei disso mas pra uma primeira prova fui muito bem.
E no fim, sabe o que vai acontecer com ele? Não preciso dizer né?
No fundo, se todos fossem capazes de saberem separar o trigo do joio a vida seria bem mais fácil.

...´´e que tudo mais vá pro inferno.´´

domingo, 14 de junho de 2009

Justificar o (in)justificável.

Estou sem tempo. Verdade verdadeira. Meus dias estão loucos, minhas horas de sono raras, meus sorrisos escassos, minha qualidade de vida rara. Sou um ser contraditório em um mundo mais contraditório ainda. As vezes quero ir longe e em outras, chegar ao meu quarto basta. As vezes quero namorar e outras, só companhia e carinho. Nunca me imaginei estar vivendo o que vivo agora. Amigos novos,amores novos, disciplinas novas. Tudo é tão novo e tão velho.
Exercícios, provas...........CHEGAAAAAAAAAAAAAAAAA. Não consigo chorar e nem gritar. Não posso, não devo, mas necessito como também necessitava beber um pouco mais e me dei o luxo de fazer isso porém, quero mais e sei que posso, tudo posso.
Porque justificar o injustificável? Porque nada justifica a minha ausência com a minha vida e os meus textos são a minha vida, logo, deixei de viver o blog.
Bom resto de domingo.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Mas quem tem coragem de ouvir.....

Perdemos a eleição, é fato. Foi dificil afinal nos dedicamos muito. Abrimos mão de familia, amigos, namorados, estudos....Final de semestre é complicado porém, a nossa vontade de rescontruir um movimento abandonado na Católica falou mais forte.
Nos extressamos. Ninguém pode negar.Tivemos vontade de matar a comissão eleitoral, a outra chapa e até os nossos. As pernas doeram muito(meu joelho que o diga), a garganta quase foi pro espaço, o orçamento foi apertado porém, não podemos negar que também nos divertimos muito. Os meninos fazendo mutirão de camiseta, que por sinal, que cor discreta foi a nossa. Eu e o Luis desesperados atrás dos panfletos. A correria para conseguir c olocar o trio na porta e fazer um barulho, o Pedro oferecendo uma bicicleta para os nossos concorrentes, enfim.
Não sei o que é pior, perder de muito ou de pouco. Não vou julgar ninguém, como também não vou me julgar. Quero falar aqui que essa foi a melhor equipe que eu trabalhei. Uma equipe unida, divertida, batalhadora e claro, com um foco. Quem imaginaria que teríamos peças como Filé, com seu jeito engraçado, Luis, brigando com todo mundo, Eu, contando piadas, o Bil, só pensando em festa, o Pedro, chamando todo mundo feio, o Thiago nervoso, o Alisson com sua sabedoria, Laryssa, sendo chamada de metralhadora, a Periana, com sede de vitória e os nossos colaboradores, sempre nos apoiando e nos fazendo rir.
Essa foi a minha despedida do Movimento Estudantil. Preciso crescer, ser grande, traçar meu caminho. Quero trabalhar com cultura afinal, a 10 anos sou artista. Confesso que queria me despedir ganhando o DCE, fato mas como não foi possivel, fico feliz em poder ter sido militante, guerreira e combativa e no fim, só tenho a agradecer.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

É a dura verdade.



















Saudade - Fernando Pessoa.
´´Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos. Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim... do companheirismo vivido. Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre. Hoje não tenho mais tanta certeza disso. Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar quem sabe...... nos e-mails trocados. Podemos nos telefonar conversar algumas bobagens.... Aí os dias vão passar, meses...anos... até este contato tornar-se cada vez mais raro. Vamos nos perder no tempo.... Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão? Quem são aquelas pessoas? Diremos... Que eram nossos amigos. E...... isso vai doer tanto! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida! A saudade vai apertar bem dentro do peito. Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente...... Quando o nosso grupo estiver incompleto... nos reuniremos para um ultimo adeus de um amigo. E entre lágrima nos abraçaremos. Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado. E nos perderemos no tempo..... Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo : não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades seja a causa de grandes tempestades.... Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!"

Superar o insuperável.



A medicina pode ter inventado remédio para todas as dores, porém, em matéria de problemas da alma, a mesma continua na Idade da Pedra. Quantas vezes achei, na minha sanidade que eu tinha superado vários problemas ou até mesmo curado várias dores. Juro de pés juntos que eu conseguia essa proeza, mas com o rumar de certas coisas percebi que infelizmente era só balela da minha parte.

Taquicardia, mãos tremulas, olhar paralisado, coração apertado. Olho sem querer no calendário. Olho mais uma vez e não acredito. No fundo, não quero acreditar. Um ano, exatamente um ano se passou de toda u ma loucura que vivi. Loucura sadia, proveitosa, para não dizer maravilhosa, mas foi uma loucura. Até hoje, quando me deito e o sono demora a chegar, me pego pensando e a angustia invade sem querer. Maio e junho de 2008. Os meses mais loucos dos últimos cinco anos. Meses que posso falar que valeram mais do que cinco anos. Meses que para mim, representaram uma vida.

Tenho mantido os meus pés fincados na terra. Durante um tempo sei que não vou conseguir voar vôos tão altos. No máximo, andar de ônibus a uma velocidade assustadora no transito caótico da minha cidade. Aprendi a ter a cabeça no lugar. Minto. Aprendi a ter o coração no lugar certo. Não me deixo mais levar pelo impulso. Chega uma hora que o impulso é tão forte que acaba indo e voltando para o mesmo lugar. Como se fosse um balanço.

Não tenho fotos para me agarrar. Não gravei as musicas que tocaram. Não consigo esboçar o mesmo sorriso. Não ando mais com o caminhar leve, com o rosto de uma criança. O que tenho são flashes que passam na minha memória como se fosse um filme. Um filme colorido, repleto de cenas incríveis e que teve sim, o seu final feliz.

Se me perguntarem se hoje eu amaria sem receber nada em troca, digo que sim, porém, se me perguntarem se eu largaria tudo o que tenho para viver um amor ou uma paixão, digo que não. Que não tenho mais esse animo esse desejo incontrolável por aventura. Se me indagasse sobre algum arrependimento, diria que nenhum e se caso ainda quisessem saber se faria de novo, responderia talvez.

A verdade é que em nenhum momento menti. Fui o mais verdadeira possível, dentro das minhas possibilidades. O amor morreu. A paixão foi enterrada. As amizades continuam, com seu distanciamento, mas continuam. A certeza? Essa realmente eu não sei, pois durante muito tempo estive certa de que eu realmente tinha superado, mas vi que existem coisas que só esquecemos.... elas sempre estaram ali oh, esperando uma brecha para voltarem a tona. Brecha essa, que vai depender da vontade sublime de deixar ou não e no meu caso, eu deixei.